quinta-feira, novembro 02, 2006

A naufragar

Outro dia tive o ensejo de assistir a uma emissão da TVEspanhola sobre Portugal. Dos sessenta minutos de programa cinquenta e cinco retrataram um país em franca dissolução: contas públicas em pessímo estado, mal uso dos famigerados "fundos estruturais" da CE/UE, fábricas a fechar e sectores de actividade desaparecidos por completo, agricultura e pescas a definhar, crescente dependência do estrangeiro, baixíssimo nível de instrução e profissionalização, irrisórios níveis de investimento em investigação, desertificação do interior e super-povoamento nas duas principais cidades do litoral, com o descalabro do desmatamento e da construção descontrolada, etc. Inseridos de tempos em tempos apareciam alguns luminares de sorrisos alvares que debitavam primores como: "Portugal é uma continuação de Espanha", ou "O povo português é ciclotímico: se agora está deprimido, durante a Expo-98 andava eufórico", ou "A Fátima Lopes desenhou a roupa da selecção e quase ganhámos", ou ainda "O Bill Gates vai transformar Portugal num Silicon Valley" - ou algo no estilo, etc. Ah... e se tudo anda mal, a culpa é do governo anterior ou, o que é ainda melhor... do "antigamente". Volta e meia referia-se o contraste entre um sector de actividade, hoje minguado ou eliminado, e a sua situação pujante de há mais de trinta anos - naturalmente sem mencionar que a "pujança" correspondia ao tempo da outra Senhora. A bem da verdade cumpre acrescentar que os restantes cinco minutos serviram para falar da AutoEuropa e de dois ou três casos de excepção, na cortiça, nos têxteis e nos calçados - importantes e exemplares, sem dúvida, mas grãos de areia nesta praia tresloucada. Um último detalhe: em nenhum instante ouviu-se menção de algum valor transcendente. Pátria? Nação? Identidade? Projecto nacional? No comprendo, amigo... Quando aí for vou saltar do avião com óculos escuros, pois não desejo deixar-me cegar pelo esplendor de um presente tão exitoso e de um futuro tão promissor.

4 Comments:

At 4:09 da tarde, Blogger Je maintiendrai said...

Também me chegou esta novidade. Só vem de encontro àqueles clichés com que encheram a cabeça da espanholada nos últimos 60 anos. O pior é que já não podemos dizer muito que é mentira...

 
At 6:01 da tarde, Blogger Euro-Ultramarino said...

Imagine todas as explicações que tive de dar após o programa...

 
At 8:03 da manhã, Blogger biclaranja said...

"A Fátima Lopes desenhou... e quase ganhámos" satisfaz-me. Se a imbecilidade tivesse fronteiras aí estaria a continuação de Castela ("Espanha" tem mais que se lhe diga).
Cumpts.

 
At 11:59 da manhã, Blogger Nuno Castelo-Branco said...

Não há dúvida alguma: eles têm um sério problema mental. Imaginemos o que aconteceria se a televisão ou os jornais alemães falassem da Áustria, como os espanhóis falam de Portugal. Havia de ser bonito. A Espanha deve ser o único país da UE a reivindicar - sem o ousar dizer abertamente - a totalidade do território do vizinho. Idiotas...

 

Enviar um comentário

<< Home