domingo, agosto 20, 2006

Racionalidade abrileira

No momento em que o Portugal das abriladas prepara-se para novamente enviar tropas a um conflito que não nos diz respeito, cumpre recordar a traição da tropa fandanga que apunhalou pelas costas povos e terras que jurara defender. Ver no Vanguarda, o indispensável texto de Fernando Pacheco de Amorim.

2 Comments:

At 4:36 da manhã, Blogger Paulo Cunha Porto said...

É próprio dos escravos obedientes: não defender o que é seu, porque nada identificam como tal. Zelar pelos bens do dono, na esperança de um elogio, ou de uma chibatada a menos.
Abraço, Caro Euro-Ultramarino.

 
At 3:55 da tarde, Blogger Euro-Ultramarino said...

Caríssimo:
Desde o fatídico "25/4" que o que importa é reger-se pela cartilha alheia. Sinal de "modernidade".
Um abraço.

 

Enviar um comentário

<< Home