sexta-feira, abril 28, 2006

28 de abril


A 27 de setembro de 1998 escrevia eu este texto, gentilmente publicado pelo saudoso "O Dia". Hoje, 28 de abril, natalício do asceta de Santa Comba, reproduzo-o aqui como singelo e sincero tributo.

Trinta anos volvidos sobre o afastamento de Oliveira Salazar da chefia do governo, cumpre homenagear aquele que foi uma das maiores inteligências e mais fortes personalidades da História; o homem de génio que salvou Portugal da decadência e da indigência, restaurou-lhe o prestígio e recolocou-o nos trilhos da sua missão histórica; o estadista de craveira excepcional para quem os interesses e direitos de Portugal estiveram sempre acima de tudo; o Português de Lei, o exemplo de integridade, o derradeiro cruzado e profeta do Ocidente.

O Portugal de Salazar foi uma Nação grande, repartida por quatro continentes, com incalculável importância geoestratégica e grandes responsabilidades históricas; o Portugal de hoje é minúsculo e exíguo rectângulo.

O Portugal de Salazar foi uma Nação independente, com autonomia de julgamento e decisão; o Portugal dos nossos dias abdicou da soberania e esmera-se na obediência à cartilha de estrangeiros.

0 Portugal de Salazar foi inflexível na defesa das populações ultramarinas contra terroristas assassinos; o Portugal abrilino abandonou as mesmas populações à sanha dos seus algozes.

O Portugal de Salazar defendeu a dignidade da pessoa humana, garantiu a ordem nas ruas e a segurança dos cidadãos; 0 Portugal da actualidade considera a dissolução do carácter e as aberrações morais como exercício da liberdade, condescende com desordeiros e delinquentes e não oferece segurança às pessoas de bem, seja em casa ou nas ruas.

O Portugal de Salazar dotou o país de infra-estruturas, promoveu a sua industrialização e protegeu os sectores-chave da economia, integrando-o paulatinamente e com salvaguardas nos espaços económicos de livre-comércio; o Portugal gerado pela abrilada arruinou as estruturas económicas e preside alegremente ao desmantelamento da indústria, da agricultura e das pescas, segundo o receituario mundialista.

O Portugal de Salazar entendia a política como instrumento ao serviço da colectividade e o poder como missão de servir; no Portugal vigente, a política é estratagema para a satisfação de interesses egoístas de pessoas e grupos, enquanto o poder é interpretado como o direito de servir-se.

O Portugal de Salazar cultivava a nossa História, homenageava os nossos Maiores, condecorava os Heróis da Pátria; o Portugal abrilino expunge a nossa Históra, ignora os nossos Maiores, exalta os traidores à Pátria.

O Portugal de Salazar não discutia Deus, a Pátria, a Família; no Portugal abrilino nega-se Deus, vende-se a Pátria, liquida-se a Família.

O Portugal de Salazar soube merecer os nossos mortos; o Portugal abrilino os não merece.

Diante de tanta traição, tanta apostasia, tanta ignomínia, tanta passividade e tanta dissolução do carácter nacional, cumpre inquirir se o consulado de Salazar não foi "somente" uma barragem temporária contra o declínio inelutável da Nação portuguesa. Afinal, se os portugueses estão-se nas tintas para a sua nacionalidade, se sentem-se bem na companhia de traidores à Pátria que amputaram largas parcelas do seu território e promoveram a imolação de milhões de inocentes, se contentam-se em comer pelas mãos de estrangeiros, se regozijam-se com afrontas à sua História e aos seus Maiores, se genuflectem sorridentes diante daqueles que nos querem dominar, diluir e absorver, então os portugueses têm o destino que merecem. "25 de Abril", Maastricht, Shengem, Amesterdão, regionalização, iberismo, mundialismo; são tudo etapas da viagem ao aniquilamento físico da Nação, tornado possível - exclusivamente - pela decomposição programada do carácter nacional.

Registam-se aqui a homenagem a Salazar e a saudade que este homem providencial deixou nos corações onde ainda vibra o nome de Portugal. E acrescenta-se que a perspectiva oferecida pelo "espectáculo" deste último quarto de século confirma e amplifica a genealidade de Salazar.



Salazar, sempre!

6 Comments:

At 11:16 da manhã, Blogger FSantos said...

Excelente síntese, caro amigo.

 
At 5:38 da tarde, Blogger Mendo Ramires said...

Excelente texto, que possuo em volume da editora Nova Arrancada — «Salazar, Antologia de Depoimentos».

 
At 6:05 da manhã, Blogger O Restaurador said...

I Encontro de Blogues de Vila Viçosa

Dia 22 de Julho venha até Vila Viçosa conviver com os seus amigos, traga a sua família, tenha a oportunidade de se maravilhar com a beleza de Vila Viçosa, passe um dia diferente no I Encontro de Blogues de Vila Viçosa!

Divulgue também o I Encontro de Blogues de Vila Viçosa, falando do mesmo no seu blogue, criando também um link. Pode criar um link personalizado, copiando o código do selo do I Encontro de Blogues de Vila Viçosa e colando-o no seu blogue.

Poderá obter mais informações em:

http://www.encontrodeblogues.pt.vu/
http://orestaurador.googlepages.com/home
http://orestauradordaindependencia.blogspot.com/
http://empregoalentejo.blogspot.com/
http://www.tabernainconformados.blogspot.com/
http://cidadela-dos-incultos.blogspot.com/
http://abata-afefe.blogspot.com/
http://quintoimperiodigital.blogspot.com/

Já somos 12 inscritos no I Encontro de Blogues de Vila Viçosa. Porque espera? Vamos descentralizar a blogosfera! Até Julho, em Vila Viçosa!

 
At 10:20 da manhã, Blogger Camisa Azul said...

Excelente texto.

 
At 4:08 da tarde, Blogger Paulo Cunha Porto said...

Sempre! Feliz "reprise"!
Abraço.

 
At 5:41 da tarde, Blogger Cabral-Mendes said...

"O Portugal de Salazar não discutia Deus, a Pátria, a Família; no Portugal abrilino nega-se Deus, vende-se a Pátria, liquida-se a Família."

Que grande verdade!

 

Enviar um comentário

<< Home