terça-feira, maio 23, 2006

25 de maio na Argentina

Buenos Aires no séc. XVIII - "Plaza de la Victoria": "Recova" e "Cabildo"

Hoje, 25 de maio, a Argentina festeja o seu dia nacional. Em 1810, figuras emblemáticas da capital do então Vice-reinado do Rio da Prata, confrontados com a neutralização napoleónica de Fernando VII, a quem haviam jurado fidelidade, decidem autonomizar a imensa possessão ultramarina enquanto se mantivesse a usurpação da legítima coroa d’Espanha. Quer isto representasse ou não os verdadeiros propósitos da elite crioula a verdade é que este ensaio autonómico resultou, seis anos mais tarde, a 9 de julho de 1816, em separação definitiva da Madre Patria.

Entretanto, se a génese da Argentina deve-se ao Vice-reinado do Prata, este, por sua vez, deve-se... à Portugal. Explica-se: foi justamente a expansão portuguesa em direcção ao rio da Prata que provocou a iniciativa espanhola de criar um vice-reinado com capital em Buenos Aires, que converte-se, a partir de aí, de simples vila portuária, em pujante cidade e centro de poder militar.

Forte português da colónia do Sacramento

Em 1680 a corôa portuguesa fundava, às margens do Prata e exactamente em frente a Buenos Aires a chamada colónia do Sacramento. Este facto marca simbolicamente o início de uma longa contenda – ora militar, ora diplomática, ora as duas modalidades em simultâneo, que apenas se resolve quase um século e meio mais tarde, com a criação – diplomática e com a chancela britânica (e maçónica) – do actual Uruguai. A cidade e porto de São Pedro do Rio Grande, a ilha de Santa Catarina, os famosos Sete Povos das Missões (jesuítas) – ou seja, todo o actual estado brasileiro do Rio Grande do Sul, são conquistados ou reconquistados e definitivamente incorporados à Corôa Portuguesa.

A própria capital da República Oriental do Uruguai, Montevideo, tem origem lusa: A 22 de novembro de 1723 tropas portuguseses alcançam a baía de Montevideo e aí assentam acampamento. Em janeiro do ano seguinte são desalojados pelas forças espanholas enviadas desde Buenos Aires, as quais, prontamente, iniciam a construção de forte e aldeia, embrião da futura cidade.

A relação com Portugal não se limita ao período XVII - XIX – foi Fernão de Magalhães quem, ao explorar a área em 1520, cartografou a baía e registou precisamente o monte sobre o qual se edificaria, e com a sua própria nomenclatura, a capital do futuro Uruguai.

Outro dado curioso é que ao final do século XVIII, os portugueses constituíam um terço da população de Buenos Aires. O mobiliário e a prataria – de cuja riqueza vários museus e colecções particulares porteñas dão importante testemunho – eram, na sua maioria, obras de artífices lusos, quer radicados aqui, no Brasil português ou na metrópole europeia.

Enquanto os argentinos recordam o 25 de maio de 1810, vou recordar aqueles portugueses de outros tempos que não mediram sacrifícios para defender os interesses e os direitos de Portugal, buscando na América alguma compensação pela ocupação castelhana de 1580-1640. Mas a decadência dos povos não perdoa: dos heróis e legiões que dilataram o Império passámos aos traidores e às cáfilas que fizeram carreira com o esfacelamento físico e moral na única nação euro-ultramarina da História.

2 Comments:

At 10:34 da manhã, Blogger JSM said...

Interessante e importante descrição para lembrança da nossa grandeza, quando havia Rei, ou esperança dele. Quando havia continuidade histórica! Hoje esperamos o quê? De quem?
As novas gerações saberão, ao menos, que a colónia do Sacramento já foi do Reino Unido de Portugal e Brasil!
Saberão alguma coisa, de alguma coisa.
Aquele filme "A Missão", embora de prósitos pouco abonatários em relação à política portuguesa da altura, é ainda assim um testemunho à antiga grandeza de Portugal.
Parabéns pela oportunidade do texto.

 
At 1:39 da tarde, Blogger Euro-Ultramarino said...

Caro JSM:
Obrigado pelo amável comentário. Deve-se dar a conhecer o que foi a presença portuguesa por estas paragens. "A Missão", apesar do anti-portuguesismo e de certas liberdades históricas que tomou, pelo menos trouxe aos écrans alguns aspectos da disputa entre as duas nações ibéricas na América do Sul.
Um abraço.

 

Enviar um comentário

<< Home