quarta-feira, junho 14, 2006

Bofetada


De uma empregada caboverdeana em casa de família lisboeta, a seguir à vitória brasileira sobre a Croácia no "mundial" futebolístico:

"Ganhámos!"

Só isto. Em uma só palavra, proferida por boca humilde, toda uma síntese do sentimento ancestral subjacente ao conceito de nação euro-ultramarina que foi Portugal. Nada de sofisticações académicas, arcabouços teóricos, abstrações; mas o sentimento natural, sincero, simples, de gente como qualquer outra. Aí está a razão várias vezes secular para a defesa intransigente de povos e territórios onde sentia-se a Pátria comum - algo inintelegível para as cabecinhas de abrileiros de todos os signos e que fizeram correr rios de sangue por conta dos seus próprios caprichos. Este "Ganhámos!" é uma autêntica bofetada.

7 Comments:

At 5:19 da manhã, Blogger acja said...

Creio que a bofetada é em rostos Portugueses também, essa empregada comeorou a vitòria Portuguesa?
Ou somente a brasileira?
Infelizmente muitos dos que vivem nas ex províncias ultramarinas se vêem muito mais brasileiros que Portugueses, e estimulam preconceitos brasileiros ante os Portugueses.
Eu, como Português que sou e ORGULHOSO disso torço ardentemente contra o Brasil e suas risadas, suas palhaçadas, sua ignorância disfaraçada de alegria, seu banditismo e seu racismo contra o Branco e contra o Português.
Torço por Portugal e Argentina, já que além de importunar mais os brasileiros,com a vitória argentina, o amigo Euroultramarino fica contente se a Argentina ganha...penso eu...

 
At 10:10 da tarde, Blogger Pedro Ferreira, Visconde de Cunhaú said...

Bom...não entendi muito bem o sentido do texto! :) Mas eu ainda sou um defensor intransigente de um reforço da lusofonia. As teorias de um Portugal e Europa branca ainda não me convencem. Será que nós não somos vistos pela Europa mais rica como simples pretos e querem tranformar Portugal numa simples colónia balnear?

 
At 10:14 da tarde, Blogger Euro-Ultramarino said...

Meu caro Acja,

Penso que a empregada em questão manifestava um sentimento de filiação a uma comunidade lusa, a uma Pátria grande, ao Portugal Imperial. Nisto ela inclui os brasileiros, o que deveria ser natural mas não é, pelas razões que o Amigo muito apropriadamente refere. De facto, o brasileiro médio é imbecilmente preconceituoso em relação ao português. É um pouco como o miúdo psicótico, aldrabão e malcriado que compensa as suas frustrações a deitar a culpa de tudo em cima dos pais... Quanto ao Mundial, e como dizem os brasucas, estou com Portugal (e a Argentina) e "não abro!". Orgulhosamente!
Um abraço.

 
At 10:23 da tarde, Blogger Euro-Ultramarino said...

Prezado Senhor Visconde,

Julgo que a empregada sentiu no fundo d'alma que pertencia ao antigo Conjunto Português, considerando brasileiros, caboverdeanos, angolanos, moçambicanos, etc. como membros de uma família. A Europa mais rica e mais branca é que parece estar mais pobre e mais preta... O Portugal-estação balnear está abrileiramente implantado desde '74...
Um abraço.

 
At 5:59 da manhã, Blogger acja said...

Algo interessante acerca do tema tocado pelo Visconde é q alguns grupos racistas consideram os Portugueses como sendo não brancos...
Que dirão dos franceses?
eheheheh
Amigo, ainda torço pra que o Tévez jogue e muito bem para não voltar para o Corinthians!

 
At 2:47 da tarde, Blogger Euro-Ultramarino said...

Meu caro Acja,

De facto as coisas estão pretas... Concordo com o Amigo quanto ao Tévez: que saia desta o quanto antes!
Um abraço.

 
At 8:27 da tarde, Blogger Pedro M said...

Digo-o sem gozo mas com reverência:

A empregada Cabo-Verdeana sente o V Império.
Por isso mais nobre que muito traidor nascido no luso rectângulo, disposto a vender-se pelo preço mais baixo.

O cínico que escreve estas linhas vê que os tempos que se aproximam (já chegaram?) são aptos ao V Império.
São pequenos gestos como estes que demonstram como poderemos ser grandes e dar MUITO ao Mundo, de uma forma nova e incompreensível - por agora - por quem não nos conhece. Portugal é mais que um nome de um país e de um rectangulozinho insignificante. É uma ideia. Mais verdadeiro e com mais potencial civilizador que qualquer religião ou sistema político.
Com os Muçulmanos filosoficamente perdidos e estagnados e o Ocidente sem referências, materialista e ocioso e com uma Igreja cada vez mais irrelevante, mole e anacrónica, Portugal - essa ideia que transcende a ridícula geografia ibérica - mas impotente económica e militarmente - pode dar tudo: o V Império!

Sinto-me um pouco como uma testemunha de Jeová, acabada de converter, é certo. Mas pensem nestas palavras. O juízo é - obviamente - vosso.

 

Enviar um comentário

<< Home